23/01/15

Jardins Suspensos


Num blog dedicado aos assuntos jurídicos escrevi em Janeiro de 2006 o seguinte:

«Eu tinha dezanove anos e escrevia num jornal chamado «Comércio do Funchal». E por ter dezanove anos dei comigo, atrevido, a fazer um artigo para aquele aguerrido jornalinho sobre «A Justiça dos Pobres», a propósito do que se chamava então a «assistência judiciária». E não é que, por sugestão do advogado Ângelo de Almeida Ribeiro, fui para isso entrevistar o então desembargador Hernâni de Lencastre! Eu tinha dezanove anos e já entristecido com o que adivinhava ser o Direito, fiquei comovido pela grandeza sensível daquela alma, que me recebeu na sua casa, afável e disponível. Agora, morreu o advogado, morreu o juiz, eu já não tenho dezanove anos. O artigo lá anda amarelecido entre os caixotes dos meus papéis velhos, os que já nem leio. E não é que hoje, ao vadiar pelo Chiado, eu vi um livro de sonetos chamado «Reassumida Memória»!. Escreveu-o Hernâni de Lencastre. Dentro, alguém, guardou um recorte de jornal, com a notícia sobre a morte do seu autor. Estava ali tudo, numa banca de alfarrábios: o que fui, o que vi, o que já não volta, sonetos frios de uma memória reassumida, na forma de um poeta que era juiz.»


Nove anos depois, proporcionou a vida um reencontro com a memória. Foi em Alte, no Pólo Museológico Cândido Guerreiro [ver aqui], e como elemento integrante do seu espólio. Ali estava e com dedicatória, oferta do autor, juiz de Direito e poeta, ao advogado e poeta. Outro livro, o mesmo sentimento, o mesmo diálogo intrinsecamente humano, os jardins suspensos da amizade fraterna.
 
Subscribe to updates